A Cabra e a Neve - Castro Laboreiro - Norberto Esteves

A Cabra e a Neve - Castro Laboreiro - Norberto Esteves

A Cabra e a Neve – Castro Laboreiro – Norberto Esteves

Texto e fotografia de Norberto Esteves

Primeiro dia do ano, já nevava há alguns dias e as zonas mais altas da serra e planalto já estavam cobertas de branco.

Tinha estado a seguir a previsão meteorológica e pareceu-me que ia haver uma pequena trégua durante a tarde, por isso preparei a máquina e decidi aventurar-me a fotografar as Cabras-montesas.

Desde que soube da existência destes animais sempre me imaginei a fotografá-las na neve. Nunca tinha surgido a oportunidade porque apanhei quase sempre bom tempo de todas as vezes que lá fui.

Esta era a minha oportunidade! Não tenho nenhum veiculo preparado para circular na neve por isso tive de deixar o carro bastante longe do local e fazer vários km a pé, mas não me importo, gosto de andar a pé.

Havia 10 cm de neve na estrada, é pouco, mas no monte a acumulação de neve é sempre maior, não nevava e até parecia que já começava a querer derreter, segui em direção ao local. Sabia que não ia ser nada fácil, mesmo sem neve é difícil caminhar naqueles montes.

Já estava a meio caminho quando começam a cair os primeiros flocos brancos. Pensei em voltar para trás, estava preocupado com a máquina porque ainda não tenho uma mochila em condições para a transportar, mas também com a probabilidade de não conseguir encontrar as cabras devido a fraca visibilidade provocada pela cada vez mais intensa nevada que se estava a formar.

Decidi arriscar e continuar em frente.

Fiquei desiludido quando cheguei ao local e não as vi, tinha quase a certeza que as iria encontrar naquele sítio…

Percorri as redondezas a procura de rastos e tive sorte, encontrei pegadas recentes marcadas na neve! Sigo-as durante algumas centenas de metros e dou de caras com um pequeno grupo constituído principalmente por machos jovens.

Ouvia-se também a curta distância o barulho de 2 machos adultos a medir forças, são batidas fortes provocadas pelo choque brutal das suas cabeças.

Tentei procurar uma boa posição para fotografar que me permitisse boa visibilidade e ao mesmo tempo evitar ser detetado.

Mas estes animais são peritos em detetar predadores, estão sempre alerta e é quase impossível passar despercebido. Fui logo detetado por um dos “vigilantes” que emitiu imediatamente um sinal e pôs todo o grupo em alerta.

Felizmente para mim não se puseram logo em fuga, já me aconteceu uma ou duas vezes antes e não tenho explicação para isso.

Estiveram vários minutos a olhar na minha direção até que decidiram afastar-se calmamente escalando as rochas ingremes e escorregadias como se nada fosse…

Nesta altura começou a nevar a sério! Fiquei indeciso entre abrigar-me ou continuar a fotografar. A dúvida durou pouco pois de repente, vindas não sei de onde, começam a aparecer mais e mais animais, fêmeas, crias, machos jovens e adultos seguiam pelo meio da vegetação e das rochas cobertas de neve no encalço dos outros membros do grupo.

Não é nada fácil fotografar com neve a cair, a falta de experiencia nesta área, a preocupação em proteger a máquina, a menor visibilidade e a focagem menos precisa complicam bastante a tarefa. Mesmo assim consegui o que queria, não foi perfeito mas foi muito bom.

Regressei pelo mesmo caminho. Da cintura para baixo estava completamente ensopado, estava frio, era difícil de andar mas vim o caminho todo com um sorriso nos lábios.

Deixo uma das fotos, vou partilhar mais nos próximos dias.

Cabra-montesa (Capra pyrenaica victoriae)

Castro Laboreiro – Melgaço – 1/Janeiro/2021

Evite fazer os trilhos sozinho(a), especialmente em zonas calcárias (onde há cavidades) ou em áreas de montanha. Cuide de si! Antes de iniciar qualquer percurso, mesmo simples, avise alguém conhecido ou alguma entidade acerca do local da sua partida e do seu regresso. Assim, em caso de emergência, saberão onde socorrê-lo(a).

Grupo PNPGerês – Acompanhe o PNPGerês no Facebook, no Instagram e no Twitter!

PNP Gerês

Tome precauções especiais quando caminha em zonas húmidas e rochosas, para evitar quedas, e não pratique atos que possam colocar em risco a sua segurança e a dos outros. Não saia dos percursos/trilhos e caminhos existentes